Doenças Crônicas Não Transmissíveis


O título da publicação já me entregou sobre as motivações de escrever sobre o assunto. Sim, em julho tive o prazer de ministrar uma aula no curso de cuidadores de idosos da GerAtividade.

Este curso que é completo e muito indicado para aquele que cuida de alguém do núcleo familiar ou quer desbravar o cuidar como profissão. Vamos lá então, com certeza já se deparou com alguém próximo que cuida, ou até mesmo você, pode estar cuidando de uma doença crônica, sendo algumas delas: catarata, osteoporose, osteoartrite, hipotireoidismo, hipertireoidismo, diabetes, incontinência urinária, hipertensão arterial ou insuficiência cardíaca. Por que devo me preocupar com doenças crônicas? Essas são questões de saúde pública, que contribuem com o aumento em internações, mortalidade, incapacidade, dependência para as atividades de vida diária, impacto em qualidade de vida e consequentemente aumento em custos com o controle e tratamento das mesmas. Quanto revisitei o conteúdo sobre as doenças crônicas dados de incidência das mesmas e projeções na população me chamaram atenção mais uma vez. “Estudos mostram que aos 70 anos, 21% dos indivíduos apresentam perda sensorial de visão e audição concomitante” “A catarata está entre as principais causas de perda de visão no mundo e é a segunda complicação ocular em decorrência de diabetes” “São identificados 120.000 novos casos de catarata por ano” “Dados apontam que há 45 milhões de pessoas cegas no mundo, sendo 40% devido catarata” “A osteoartrite é a quarta doença que mais reduz qualidade de vida” “A diabetes irá atingir 366 milhões de pessoas em 2030” “No Brasil ocorrem cerca de 250.000 mortes por doenças cardiovasculares” “A insuficiência cardíaca é a principal causa de hospitalização para pacientes com mais de 65 anos” “6 milhões de pessoas sofrem com insuficiência cardíaca” Ao ler todas as notas acima deve ter notado que os dados são alarmantes, não é mesmo? As doenças crônicas são multifatoriais, podem estar atreladas a fatores genéticos, ambientais e de hábitos de vida diária. Cabe destacar que a prevenção das mesmas é menos custosa do ponto de vista da saúde pública e também do cuidado. Visitar regularmente profissionais de saúde, adotar alimentação saudável assistida por um nutricionista e praticar exercícios contribuem para o controle e prevenção das mesmas. Quer saber mais sobre forma de cuidado das referidas patologias? Fique ligado em nossas publicações ou procure pelos cursos da GerAtividade.

GABRIELA DE CARVALHO

GABRIELA DE CARVALHO

É Gerontóloga, escreve na coluna de Gerontologia do BLOG GERATIVIDADE toda primeira semana do mês.

contato: gabrielacgerontologa@gmail.com


Posts Em Destaque
Posts Recentes