REPICMOR - RESIDÊNCIA PARA IDOSO COM MOBILIDADE REDUZIDA


A residência como conhecemos hoje é projetada para suportar a vida de uma pessoa com capacidade média de movimentar-se e levantar peso. Assim bancadas de serviço como pias, taboas de passar roupa, máquinas de lavar louça, lavatórios, etc. estão a 85 cm do chão. As portas, corredores e passagens são de 90 cm no máximo.

Porém, a ergonomia aplicada a uma pessoa com capacidade média de movimentar-se e levantar peso tem pouquíssimos pontos em comum com a aplicável as pessoas com mobilidade reduzida sobre tudo, quando se trata de uma pessoa idosa.

Essa e a proposta desse ensaio: Residência para idoso com mobilidade reduzida.

A proposta para idoso que vive sozinho e tem mobilidade reduzida é: Projetar uma residência capaz de suprir todas as necessidades de alguém que já não tem a mesma força da juventude. Extra cuidado quando essa pessoa ainda tem mobilidade reduzida. Isso, com o compromisso de fazer dessa residência um espaço confortável e uma experiência gostosa de viver.

A idéia aqui é oferecer uma solução de residência para quem vive sozinho, porém tem mobilidade reduzida. A necessidade de ajuda não vem das atividades necessárias para vivermos e sim da ergonomia de nossas residências projetadas para pessoas com plena capacidade motora. A redução nessa capacidade não nos obrigaria a ser ajudados por alguém com plena capacidade motora, se repensarmos as ferramentas que usamos em nossas residências. As características de uma casa familiar (projetada para mais de um habitante) usa e abusa das divisórias, buscando o impedimento físico de trânsito de um habitante no espaço utilizado por outro. Essa necessidade não existe quando se mora sozinho, consequentemente, essa divisórias podem ser removidas. O resultado vem em ganho de espaço e a remoção de obstáculos ao trânsito de quem já tem dificuldade o suficiente pra se mover.

Redução de mobilidade não significa necessariamente redução de força. Contudo, é preciso considerar que distância do corpo pode fazer os pesos aumentaram e trazer os objetos para mais perto do usuário é a solução para esse desafio. Razão pela qual alturas e mecanismos precisão ser reconsiderados.

Para facilitar, trouxe um modelo de Projeto de uma REPICMOR. Repare nas adaptações:


Disposição da residência

  1. A residência deve ser distribuída em duas áreas: social e íntima;

  2. A integração dessas áreas feita em “open concept” reduzindo paredes e anteparos;

  3. Integração de espaços como dormitório com serviços ligados a vestuário e limpeza;

  4. Integração da cozinha com área social.

Acesso a residência

  1. Acessibilidade desde a calçada até a porta de entrada;

  2. Circulação interna;

  3. Portas e janelas com fechaduras ao alcance;

  4. Garagem com espaço suficiente para circulação de cadeira de rodas.


Serviços na residência

  1. Pia com altura ajustada para cadeirante com espaço em baixo para acomodar a cadeira durante a utilização;

  2. Fogão com ajuste de para utilização sentado ou em pé;

  3. Forno a altura de acesso com porta de abrir para um dos lados;

  4. Geladeira e lava loucas com gavetas;

  5. Lava roupas e secadores instalados lado a lado com portas abrindo a partir do centro.


Higiene e cuidados pessoais na residência

  1. Lavatório com altura ajusta para cadeirante com espaço em baixo para acomodar a cadeira durante a utilização;

  2. Box de banho com banqueta e apoio;

  3. Sanitário com apoio de barras.

Acomodações na residência

  1. A cama precisa ter a altura confortável e livre de laterais que dificultem seu acesso a partir da cadeira;

  2. Espaço suficiente para a circulação ao redor da cama.

A conclusão é: Com ou sem mobilidade reduzida, jovem ou idoso, a ajuda é sempre bem-vinda e demonstração de bem querer. A vida de ninguém deveria ser limitada na falta de ajuda! Seres humanos são considerados inteligentes por encontrar soluções a desafios. Por criar ferramenta para expandir sua capacidade. Esse conceito não pode mudar no avançar da vida e na redução das capacidades naturais.

Precisamos revolucionar a evolução.


#GerAtividade #casaadaptada #idosos

MARCELLE VILAS BÔAS

Designer de interiores e paisagista pela IFSP (Instituto Federal de São Paulo), cursa Arquitetura e Urbanismo

marcellevilasboass@gmail.com



Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square